Notícias

06.02.2020

Organização exponencial: é possível crescer na velocidade das startups


Empresas que apresentam crescimento sustentável e escalável apostam nos 4 Ds criados pela SingularityU
Empresas que apresentam crescimento sustentável e escalável apostam nos 4 Ds criados pela SingularityU
O avanço da tecnologia e o aumento do volume de informação/dados, aliados à mudança de comportamento do consumidor, deram início à era 4.0, que é digital. Os novos padrões sendo impostos com uma velocidade cada vez maior obrigaram as organizações a romperem com os velhos modelos lineares. Aquelas que não o fizeram, precisam fazer urgentemente, antes que o mercado decida que não há mais lugar para elas.

A era das organizações exponenciais sugere alta capacidade de adaptação, agilidade, multidisciplinaridade e inversão do protagonismo que, em vez de estar nas pessoas, passa para os projetos e para os objetivos. Os 4 Ds criados pela Singularity University resumem bem quais são as características das empresas da era digital: Desmonetização (representada pelas soluções cada vez mais acessíveis), Democratização (que significa trânsito aberto nas empresas e investimento em cultura organizacional), Disrupção (que dá espaço aos novos modelos mais alinhados ao mindset da nova economia) e Descentralização (que aposta na atuação em rede, primando pela horizontalidade).

Pensando nas apostas da era digital e no crescimento das organizações exponenciais, a SingularityU vem promovendo estudos sobre o impacto das tecnologias exponenciais e o redesign dos modelos de negócios das organizações. Sendo assim, em 2019 a instituição americana consolidou a FAE como Local Host Partner do SingularityU Curitiba-Chapter.

A instituição americana iniciou a atuação em Curitiba com o intuito de identificar gargalos nas organizações e no ecossistema de inovação locais, com o intuito de estimular a mudança por meio de métodos exponenciais. A parceria terá também a missão de empoderar e fornecer ferramentas para que as pessoas sejam agentes efetivos e protagonistas dessa mudança, incluindo a transformação digital de empresas e a mudança do mindset de gestão.

Cultura do conhecimento
A Singularity University criará torres de conhecimento, que serão responsáveis por identificar lacunas e traçar diagnósticos. De posse desses dados, a FAE Business School desenvolverá capacitações específicas focadas nos gargalos apresentados pelo estudo. A intenção é desenvolver soluções, baseadas nas técnicas inovadoras da instituição nascida no Vale do Silício, berço da inovação, da disrupção e da criatividade, que está sediada dentro da Nasa e tem foco na resolução de problemas globais.

Para a FAE é uma oportunidade muito diferenciada de ter acesso às metodologias da Singularity e, também, de conhecer as demandas locais que serão identificadas pelas torres de conhecimento. “Ter acesso às questões detectadas pelos especialistas da Singularity, atuando junto com eles neste processo, bem como conhecer os métodos utilizados para sanar as gaps de mercado permitirá que desenvolvamos cursos executivos e módulos de pós-graduação totalmente alinhados às necessidades de transformação da indústria local, fornecendo ferramentas para que os alunos possam propor soluções inovadoras e ágeis, alinhadas à era digital e ao que a universidade aplica”, explica o diretor da FAE Business School, José Vicente Cordeiro.

Esse conteúdo foi publicado no Carreira e Futuro, do G1 Paraná.

Imagem: Shutterstock


Compartilhe: