Notícias

05.08.2015

Administrando o tempo


Confira o artigo escrito pelo professor Emilio Carlos de Castro Paiva.
Confira o artigo escrito pelo professor Emilio Carlos de Castro Paiva.
Para falar de administração do tempo, é importante esclarecer que uma boa administração é aquela que atinge o melhor resultado com o mínimo de recursos disponíveis. Assim, o princípio de uma boa administração do tempo está na definição clara dos objetivos, dos resultados esperados. Você sabe o que você quer ser? Você sabe o que você deseja se tornar? Você tem objetivos claramente definidos? Sem isso, não há como administrar bem o tempo, que é exatamente a duração das transformações que você deverá empreender em você mesmo.

Isto posto, cabe tratar o tempo como amigo. Se assim o for, não atribuiremos a ele coisas, tarefas, missões para as quais ele não está preparado. Por isso permita-me dar a você, que quer ser amigo do tempo, alguns conselhos:

  • Não diga que “O tempo é o melhor remédio.” Tempo não é remédio. Tempo não cura nada. O que cura é enfrentar a situação e não fugir dela. O que cura é aplicar um remédio que pode doer, que pode arder, mas cuja ação resolverá o problema, curará a enfermidade.
  • Não use a frase “Tempo é dinheiro”. Dinheiro você sabe quanto tem. Basta consultar seus extratos bancários. Dinheiro você pode guardar hoje para gastar amanhã. Dinheiro você pode, se precisar ou entender necessário, pedir emprestado (pagando juros ou não). Dinheiro você pode, se tiver mais do que precisa, até emprestar. E o tempo? Nada disso. Você não sabe quanto tem, você não pode pedir emprestado, não pode emprestar, não pode acumular. O tempo só passa.
  • Não diga que vai “recuperar o tempo perdido”. Heráclito de Éfeso dizia que não se pode tomar banho duas vezes no mesmo rio. Com isso significava que o rio amanhã não será mais o mesmo, pois a água que nos banha hoje amanhã estará a quilômetros de distância. Ou seja, o rio não é mais o mesmo. Mais do que isso: nós também não seremos mais os mesmos (na pior das hipóteses, estaremos um dia mais velhos). Ou seja, estamos em constante mudança, mudança essa que precisa sim do tempo para ser realizada uma vez que o tempo é exatamente a duração dessa transformação.
E por último, mas não menos importante nesta lista de conselhos, não diga que “não tem tempo para nada”. Que mentira! Ora, se você está lendo este artigo é porque tem tempo para algo e escolheu (obrigado pelo privilégio) ler o texto em detrimento de outra leitura neste exato momento. Ora, às vezes nas empresas ouve-se que “não é possível fazer isto por falta de orçamento”. Temos orçamento, mas decidimos empregar recursos em outra atividade. Com relação ao tempo, trata-se de escolher em que devemos empregar o que pensamos ter e não reclamar do que nos falta. Em resumo não existe falta de tempo, existe falta de vontade.

Falando de vontade, ouso esclarecer o que dizem algumas pessoas para quem “a cada dia o tempo parece que passa mais rápido..” Ora, quando você é criança não tem obrigações, tarefas a cumprir, resultados para entregar, serviços para concluir e um dia cronológico dura bastante. Tomara que você tenha aproveitado essa época. Com o passar do tempo (ele só passa), surgem os compromissos, as tarefas, as obrigações que vão preenchendo o nosso tempo. Daí a sensação de diminuição, mas na verdade somos nós que vamos nos apoderando de nossas vidas e, fruto de nossas escolhas e da realização de nossos desejos, vamos enchendo-nos de transformações a realizar (e cada uma delas leva tempo...). Assim, ficamos cada vez com menos tempo.
Mas a solução deste enigma se encontra numa fórmula matemática bem simples.




Ora, quando acontece algo bacana em nossas vidas que gostaríamos que durasse muito tempo, o denominador cresce e a percepção do tempo diminui, por isso ele “fica mais rápido”. Por outro lado, quando acontece algo ruim, nosso desejo é de que ele demorasse nada e o denominador diminui, fazendo a sensação de demora aumentar consideravelmente. Quer acabar com isso?

Aprenda a viver cada momento, celebre suas vitórias, comemore, divirta-se. Por outro lado, diante de uma perda, viva seu luto, esgote aquele assunto e dê lugar ao novo. Você não pode mudar a parte de cima da equação, mas pode agir sobre a sua vontade. Faça isso e pare de reclamar!

Bem, cabe ainda falar um pouco do desejo de eternidade. Gostamos de imaginar ou recordar momentos maravilhosos que vivemos os quais às vezes manifestamos o desejo de eternizar com frases do tipo “Se desse para ficar assim para sempre..” Mas não dá, hoje não dá. O único fato que permitirá uma eternização é a morte. A morte significa o fim de nosso desenvolvimento, a conclusão das transformações que teríamos que realizar em nós para que nos tornássemos o que tínhamos que ser. Não havendo mais nada a fazer, nenhuma transformação a realizar em nós, não necessitaremos mais de tempo. É isso que dará o sentido de missão cumprida!

Para concluir, costumo dizer que administrar o tempo é administrar a vida, pois quando não houver mais tempo é porque não existe mais vida, pelo menos vida tal qual a vivemos nós.

Como acredito que ninguém vai ser feliz tentando ser o que não é, para decidir com mais agilidade em que empregar o seu tempo, tenha clareza de propósitos e respeite seus valores. Assim, você decide mais rápido e não utiliza de maneira errada este tesouro que tem. Use o tempo a seu favor.

Emilio Carlos de Castro Paiva.


Compartilhe: