Notícias

05.03.2015

O gás de xisto e o futuro do Oriente Médio


Confira artigo do professor Dr. Adalberto Scortegagna sobre a importância geoeconômica do Oriente Médio na atualidade.
Confira artigo do professor Dr. Adalberto Scortegagna sobre a importância geoeconômica do Oriente Médio na atualidade.
Nos últimos meses, o mundo presencia a violência crescente em regiões que compreendem Síria, Iraque e Líbia, onde o Estado Islâmico assumiu o poder e controla um vasto território. Se no passado recente uma crise na região, em especial no Oriente Médio, provocava reações imediatas do governo norte-americano, na atualidade essa reação não acontece, deixando o mundo perplexo. A sociedade se pergunta: por que não ocorre uma ocupação militar nessa região?

A resposta talvez seja simples: o Oriente Médio está gradualmente perdendo importância no contexto geoeconômico mundial. Nos últimos anos, grandes jazidas de petróleo foram descobertas na Venezuela, no Brasil (pré-sal), no México e em Angola. Os países da OPEP poderiam reduzir a produção e manter o preço do petróleo no patamar de U$ 100, porém a estratégia desses países, em especial da Arábia Saudita, é manter o petróleo a um preço menor e, assim, desestimular a produção de outros países que têm um custo elevado de extração. É o caso do Brasil em relação ao pré-sal, onde o barril custa mais de U$ 40. Porém, essa estratégia pode não dar os resultados esperados, pois o grande problema enfrentado pelo Oriente Médio refere-se à exploração do gás de xisto, existente em grandes áreas dos Estados Unidos e em diversos outros países como China, Argentina e Brasil.

O gás de xisto vem provocando uma revolução nos Estados Unidos, gerando perspectivas de independência energética nos próximos anos. É essa possibilidade que assusta os países produtores de petróleo, pois cotando atualmente em U$ 50 o barril e sem perspectivas futuras de aumento nos preços, esses países vislumbram um futuro sombrio. Isso porque, se no passado o petróleo garantiu a sobrevivência de ditaduras na região, sem a contrapartida de um desenvolvimento econômico e social para suas populações, na atualidade essa commodity negociada a preço tão baixo pode levar muitos desses países a presenciar uma crise econômica e social jamais vista.


Artigo escrito pelo professor de Geoeconomia do curso de Negócios Internacionais, Dr. Adalberto Scortegagna, especial para Associação de Ex-alunos FAE - FAEx



Compartilhe: