Projeto de extensão gratuito sobre obras literárias de autoras que contribuíram, e ainda contribuem, para o patrimônio cultural.

Litteraria - Vozes de Resistência

15/05 a 20/11
14h30
On-line


Inscreva-se

Sobre o evento


O curso de Letras - Português e Inglês da FAE convida a todos para participar do projeto de extensão “Litteraria - Vozes de Resistência”. O projeto propõe encontros mensais (aos sábados), com o objetivo de trabalhar as obras literárias de autoras que contribuíram, e ainda contribuem, para o patrimônio cultural.

Todas as obras escolhidas têm o intuito de servir como guia e cooperar para a extensão da criatividade, interpretação de textos e evolução da escrita, além de fomentar ideias sobre questões identitárias relacionadas a gênero e raça para com a comunidade, e por meio da produção literária das autoras que serão apresentadas neste ano.

Também é importante destacar que estamos conectadas com a proposta de Antonio Candido, presente na obra O Direito à Literatura, que estabelece a relação direta entre os direitos humanos, educação e, mais especificamente, literatura. Para Candido “pensar em direitos humanos tem um pressuposto: reconhecer que aquilo que consideramos indispensável para nós é também indispensável para o próximo” (2004, p. 172). Dessa maneira, o processo de humanização sugere pontos para além de questões de saúde, por exemplo.

A ideia central da Literatura é promover o exercício da reflexão, a aquisição do saber, a boa disposição para com o próximo, a capacidade de penetrar nos problemas da vida, e a percepção da complexidade do mundo e dos seres (CANDIDO, 2004, p. 180). Quanto à função da literatura, o autor estabelece uma ligação com os direitos humanos, a partir de dois ângulos diferentes:

“Primeiro, verifiquei que a literatura corresponde a uma necessidade universal que deve ser satisfeita sob pena de mutilar a personalidade, porque pelo fato de dar forma aos sentimentos e à visão do mundo ela nos organiza, nos liberta do caos e portanto nos humaniza. Negar a fruição da literatura é mutilar a nossa humanidade. Em segundo, a literatura pode ser um instrumento consciente de desmascaramento, pelo fato de focalizar as situações de restrição dos direitos, ou de negação deles, como a miséria, a servidão, a mutilação espiritual. Tanto num nível quanto no outro ela tem muito a ver com a luta pelos direitos humanos” (CANDIDO, 2004, p. 186).

Ainda é possível pensar no Litteraria como um bem incompressível, isto é, “São incompressíveis certamente a alimentação, a moradia, o vestuário, a instrução, a saúde, a liberdade individual, o amparo da justiça pública, a resistência à opressão etc.; e também o direito à crença, à opinião, ao lazer e, por que não, à arte e à literatura” (CANDIDO, 2004, p. 174). O que nos leva a refletir sobre os bens que asseguram não só a sobrevivência física, mas a integridade do espírito, da alma, sendo a literatura um destes direitos inalienáveis e que podem gerar potencialidade no contexto social dos participantes das rodas de leitura e oficinas, promovendo abertura intelectual, e assim abrangendo temas e opiniões correspondentes à vivência de cada um.

Dessa maneira, enxergamos na literatura um tema relevante na atual conjuntura mundial, principalmente às questões relacionadas à igualdade de gênero e, portanto, na construção do indivíduo.


Confira a programação e inscreva-se:

  • 10 de Abril, às 14h: Ana Torquato apresenta "Dentes Brancos", de Zadie Smith 

Livro de estreia da escritora inglesa Zadie Smith compõe um mosaico da Inglaterra multicultural contemporânea. A partir de temas como a diversidade racial e a clonagem, a autora surpreende com uma ficção ao mesmo tempo divertida, irônica e profunda, aclamada como uma revelação pela crítica, por escritores consagrados e pelos leitores ingleses. O romance narra a história de dois amigos que se conheceram durante a Segunda Guerra Mundial: o inglês branco Archie Jones e o bengali Samad Iqbal. O final da guerra os separa, mas por obra do destino eles vão se reencontrar trinta anos depois, num bairro pobre da Londres dos anos 70.

 

  • 15 de Maio, às 14h30: professor Luiz Rogério Camargo, sobre "Quarto de Despejo", de Carolina Maria de Jesus

O livro apresenta em forma de diário o cotidiano da autora em meio à fome e à miséria na cidade de São Paulo. Moradora de favela, Maria Carolina de Jesus luta pela sobrevivência de si mesma e da família, trabalhando como catadora de papel. Sem formação além do básico para ler e escrever, a escritora, no entanto, compôs um dos mais poderosos e impactantes relatos sobre a dura vida dos marginalizados no Brasil.

 

  • 19 de Junho, às 14h30: Cléber Pertel apresenta "Conceição Evaristo" - CANCELADO

Maria da Conceição Evaristo de Brito (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1946). Romancista, contista e poeta. Mudou para o Rio de Janeiro em 1973, quando foi aprovada para cursar o magistério. A estréia literária de Conceição ocorreu em 1990, com obras publicadas na série Cadernos Negros. Suas obras, poesia e prosa, especialmente o romance Ponciá Vicêncio (2003), abordam temas como a discriminação de raça, gênero e classe. Em sua poesia, Conceição Evaristo, pontua sua ancestralidade de maneira crítica, beirando o tom de um manifesto, em uma clara tomada de partido que dá lugar à cultura negra de forma lírica e política.

 

  • 17 de Julho, às 14h30: Verônica Kobs apresenta "Pai contra mãe", de Machado de Assis e o filme Quanto vale ou é por quilo?, de Sérgio Bianchi

O trabalho analisa “Quanto vale ou é por quilo?'', de Sérgio Bianchi, como adaptação cinematográfica do conto “Pai contra mãe”, de Machado de Assis. Focalizando a violência, a escravidão e a política do favor, a comparação entre as duas obras pretende discutir as questões de  poder e dominação, com base nos estudos de Stuart Hall, Roberto Schwarz e Norbert Elias.

 

  • 21 de Agosto, às 14h30: Diamila Medeiros, sobre "Tratado dos Anjos Afogados", de Marcelo Ariel 

A apresentação será um comentário geral sobre a obra poética de Marcelo Ariel, com ênfase em seu primeiro livro Tratado dos Anjos Afogados (2008). Marcelo Ariel é o pseudônimo de Marcelo Rodrigues dos Santos, poeta, performer, ensaísta, músico e dramaturgo brasileiro contemporâneo, nascido em Santos, em 1968. Sua obra contempla um conjunto de publicações (convencionais e artesanais) significativo, com poemas, prosa, dramaturgia e textos críticos. Tratado dos Anjos Afogados tem como um dos temas a cidade de Cubatão, onde Ariel viveu parte de sua vida, e apresenta poemas que fazem referência aos problemas socioambientais enfrentados pela cidade. Além disso, há também uma forte presença de mecanismos de intertextualidade que sustentam um dos outros temas do livro, a investigação sempre atenta das obras de outros artistas, escritores e filósofos, como matéria poética, algo que se mantém em sua obra de maneira constante.

 

  • 18 de Setembro, às 14h30: professora Karina Fonsaca, sobre "Perro Viejo", de Teresa Cárdenas

A professora vai apresentar a obra Cachorro Velho da escritora Teresa Cárdenas. Teresa Cárdenas é uma escritora, roteirista, atriz, bailarina e ativista social cubana contemporânea. Em 2005, ganhou o Prêmio Casa de las Américas com o romance Perro Viejo. Traduzido para o português como Cachorro Velho, foi publicado em 2010 pela editora Pallas, trata-se de um romance sobre o ponto de vista de um velho negro cubano que não conheceu outra vida além da servidão em uma plantação de cana de açucar, a história é sobre as memórias dos anos deste velho como escravo.

 

  • 23 de Outubro, às 14h30: Suzan dos Anjos, sobre Djamila Ribeiro 

Neste encontro, serão abordadas as principais ideias desenvolvidas por Djamila Ribeiro nos livros O que é Lugar de Fala? (2017), Quem tem medo do feminismo negro? (2018), Pequeno Manual Antirracista (2019) e Lugar de Fala (2019).

 

  • 20 de Novembro, às 14h30 - Grupo Litteraria (Rafaela Calil, Roberta Lehmann, Giovana Luersen e Rubia Pedroso) apresenta "Querem nos Calar", org. Mel Duarte

A obra, organizada pela poeta Mel Duarte, reúne poemas de 15 mulheres slammers de todas as regiões do Brasil. O livro é construído a partir do poetry slams, isto é, batalhas de poesia falada, e que nesta obra apresenta temas como gênero, machismo e feminismo.
 


Programação


Palestrantes


foto de Cleber Pertel

Cleber Pertel

Professor Cleber desde a infância, é íntimo dos livros. Escritor, possui crônicas, contos e poemas publicados em periódicos e coletâneas. É professor do Colégio Bom Jesus desde 2018, atuando nas unidades São José dos Pinhais, Lourdes e Centro.

foto de Verônica Daniel Kobs

Verônica Daniel Kobs

Pós-Doutorado em Literatura e Intermidialidade. Professora da Graduação em Letras da FAE. Professora dos cursos de Mestrado e Doutorado em Teoria Literária. Professora do curso de Especialização em Letras. Editora da revista literária Scripta Alumni. Pesquisadora da área de Literatura, Artes e Crítica Cultural. Autora de artigos sobre Literatura e Intermídia e de livros sobre Língua Portuguesa e Linguagens. Autora do blog Interartes: Artes & Mídias.

foto de Diamila Medeiros

Diamila Medeiros

Doutora em Letras – Estudos Literários, com pesquisa sobre poesia brasileira contemporânea. Bacharel (Letras – Português), Licenciada (Letras Francês) e Mestre Letras – Estudos Literários. É professora de literatura e mediadora de leitura. Trabalha com ações de incentivo à leitura em Curitiba, desde 2013, e ministra oficinas e cursos de formação de mediadores de leitura, desde 2015. Organizadora e curadora de eventos acadêmicos e culturais. Membro do Grupo de Trabalho que escreveu o Plano Municipal do Livro, Leitura e Bibliotecas de Curitiba.

foto de Karina Fonsaca

Karina Fonsaca

Karina Fonsaca é Doutora em Literatura e Cultura, com ênfase em Literaturas Clássicas e em tradução, Mestre em Letras - Literatura e Cultura, graduada em Letras, atua como professora na FAE Centro Universitário.

foto de Suzan dos Anjos

Suzan dos Anjos

Suzan dos Anjos é graduada e mestre em Filosofia, além de especialista em Ensino de Filosofia para o Ensino Médio e Ensino Religioso. Atualmente atua como docente, além de apresentar o podcast Filosofia no Foninho.

foto de Professoras Litteraria

Professoras Litteraria

O coletivo Litteraria atua desde 2018 com ações voltadas ao fomento da literatura. A iniciativa nasceu no curso de Licenciatura em Letras da FAE Centro Universitário, com as integrantes Giovana Luersen, Rafaela Calil, Roberta Lehmann e Rubia Pedroso.

Atualmente, desenvolvem junto a Fundação Cultural de Curitiba (FCC), rodas e oficinas de leitura por meio do edital "Múltiplas Ações em Literatura e Leitura", além de apresentarem o podcast LitterariaCast.

foto de Luiz Rogério Camargo

Luiz Rogério Camargo

Luiz Rogério Camargo é doutor e mestre em Letras. Graduado em Letras, Jornalismo e especialista em Linguística e Literatura. Atualmente é professor de Literatura, Língua Portuguesa e Oratória na FAE – Centro Universitário.

foto de Ana Carolina Torquato

Ana Carolina Torquato

Ana Carolina Torquato é doutora em Estudos Literários e mestra em Estudos Literários e Literatura Comparada. Ana é graduada em Letras Português/Inglês - Bacharelado em Estudos Literários. Sua principal área de interesse é a Literatura, com especial ênfase em Estudos Animais, Ciências do Desastre e Estudos Comparados. Ana é professora e criadora do projeto de leitura em língua inglesa A Book a Month - Book Clubs in English.

Inscrições


Evento gratuito e aberto ao público. Inscreva-se!



Quero me inscrever